Amiloidose Cardíaca

Amiloidose Cardíaca, Cardiopatia, CAF ou FAC

amiloidose-cardiaca.jpeg
A Amiloidose é uma doença rara, que ocorre quando proteínas insolúveis se depositam em órgãos e tecidos, formando uma fibra que não consegue ser removida pelo organismo e, assim, causando danos graves àquele órgão. Quando a amiloidose se concentra nos tecidos do coração, é chamada de Amiloidose Cardíaca. Ela é conhecida também como Cardiomiopatia Amiloidótica Familiar (CAF), ou, em inglês, Familial Amyloid Cardiomyopathy (FAC).




MANIFESTAÇÃO DA AMILOIDOSE CARDÍACA


Causada por um distúrbio do metabolismo de proteínas, a doença é mais comum em idosos. À medida que os depósitos de proteínas no tecido do coração aumentam, o órgão vai se tornando rígido, com paredes espessas - tanto nos átrios e nos ventrículos, quanto nas válvulas. 

Conforme isso acontece, seu funcionamento é comprometido. O acúmulo de proteínas no tecido cardiovascular pode levar ao baixo bombeamento de sangue, comprometimento dos átrios e cardiomiopatia restritiva, na qual o órgão se torna tão rígido que não consegue se expandir para encher de sangue e distribuí-lo adequadamente para diversas regiões do corpo.

O coração é afetado em 50% dos casos de amiloidose, sendo que, dessas ocorrências, 5% acarretam danos exclusivamente ao sistema cardíaco, sem afetar outros órgãos. 





SINAIS E SINTOMAS DA AMILOIDOSE CARDÍACA


Por se manifestar de maneiras variadas, não há um padrão definido de como a doença cardiovascular se apresenta no organismo. Em geral, a enfermidade pode ocasionar: 

o Falta de ar;
o Fadiga;
o Perda de peso;
o Tontura ao ficar de pé;
o Batimento cardíaco irregular;
o Pressão sanguínea baixa;
o Urina espumosa devido a perdas de proteína;
o Dormência ou dor nas mãos e pés;
o Constipação e diarreia, alternadamente;
o Funcionamento anormal do fígado (hepatomegalia);
o Insuficiência cardíaca.

O aparecimento dos sintomas não leva a pessoa pensar na amiloidose cardíaca logo de início. Os sinais primários são inespecíficos e fazem considerar diversos outros problemas. Mesmo os sintomas específicos do coração são, muitas vezes, confundidos com outras doenças cardiovasculares, o que leva à demora do diagnóstico correto e ao avanço da enfermidade.



COMO É IDENTIFICADO O DIAGNÓSTICO?


Em geral, a identificação da doença é difícil. Para distinguir a amiloidose cardíaca de outros problemas cardiovasculares, o médico analisa o espessamento da parede coração e a insuficiência cardíaca, quando esse quadro não pode ser explicado por qualquer outra enfermidade.

Ao descartar outras doenças, a suspeita da amiloidose cardíaca pode ser confirmada por meio de uma biópsia de células do coração. Um ecocardiograma pode especificar características da doença, como a extensão e gravidade do depósito de proteínas no órgão. Isso permite um tratamento específico para cada caso. Podemos incluir aqui o exame de cintilografia óssea e ressonância.



TRATAMENTO PARA AMILOIDOSE CARDÍACA


Os tratamentos disponíveis variam de acordo com o quadro clínico: o tipo de proteína amiloide envolvida, idade e preferência do paciente. Por isso, é importante procurar um acompanhamento profissional em cada caso.

Geralmente, o tratamento é dividido em duas partes: amenização dos sintomas para melhorar a qualidade de vida, interrupção da produção da proteína que gera a doença ou estabilização das proteínas instáveis. Pode ser indicado:

Uso de diuréticos e restrição de sal na dieta, para controlar a insuficiência cardíaca;
Uso de marcapassos para melhorar o funcionamento do órgão no que diz respeito à condução do sangue;
Quimioterapia com objetivo de reduzir o número de proteínas danosas;
Tratamento medicamentoso. 

O transplante de coração é feito somente em casos muito específicos devido à alta taxa de complicação em portadores da doença.

Atenção: Caso não seja identificada e tratada a tempo, a amiloidose cardíaca pode levar à insuficiência do coração e até a morte. Ao perceber qualquer sintoma, consulte seu médico.


Fonte: https://www.pfizer.com.br/sua-saude/doencas-raras/amiloidose-cardiaca 
« Voltar